Conquista

Ministério Público alerta líderes religiosos de Vitória da Conquista a deixarem de praticar LGBTfobia e intolerância religiosa

Pastor teria declarado que religião de matriz africana seria "negócio de satanás e legião de nigrinhas”

O Ministério Público estadual alertou os líderes e entidades religiosas de Vitória da Conquista a pararem de praticar e estimular condutas discriminatórias de intolerância religiosa, por orientação sexual e por identidade de gênero, em manifestações e discursos nas igrejas.

O alerta foi realizado em recomendação encaminhada a todas instituições religiosas da cidade pela promotora de Justiça Guiomar Miranda de Oliveira Melo.

A recomendação decorreu de notícias sobre “reiterada prática de intolerância religiosa e discriminação” cometida por um pastor e membros evangélicos contra as religiões de matriz africana.

O pastor teria declarado que “macumbeira tem que morrer, sapatão tem que morrer, homossexualismo tem que morrer, feiticeira tem que morrer” e que a religião de matriz africana seria “negócio de satanás e legião de nigrinhas”.

O fato está sendo apurado pelo Ministério Público.

A promotora lembra que determinadas manifestações extrapolam o direito da liberdade religiosa assegurado pela Constituição Federal com garantia de pregação e divulgação do pensamento conforme as convicções e entendimento teológico e doutrinário de cada segmento religioso.

Foi requisitada a divulgação da recomendação dentro dos templos religiosos e locais de culto para conhecimento dos fiéis.

A promotora destacou que eventuais práticas de discriminação por líderes religiosos serão apuradas e podem resultar em responsabilização nas esferas civil e criminal.

Etiquetas

Notícias VCA

Notícias Vitória da Conquista - Seu portal de Notícias de Conquista e toda Bahia.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar